Capítulo 4: Reparos e diagnóstico de airbags frontais

Por: Redação

A luz de alerta do air bag deverá ascender por aproximadamente 3 segundos quando a ignição for ligada e depois se apagar. Caso esta luz se ascenda ou pisque em qualquer momento diferente a este, existe alguma avaria no sistema de air bag

Após uma colisão frontal grave onde os air­bags frontais são deflagrados o reparador deve obrigatoriamente substituir todas as bolsas que foram deflagradas por bolsas novas. Nenhuma bolsa de airbag pode ser recuperada e, além disso, o reparador ainda deve analisar os seguintes componentes:

Unidade de controle do airbag: A unidade de controle do airbag deve ser substituída após uma colisão, com exceção das unidades que pertencerem a 8 R”, 9ª e 10ª geração. Estas gerações de unidades podem ser reaproveitadas em até duas colisões na mesma direção, ou seja, é possível existir duas colisões laterais e duas frontais e ainda utilizar a mesma unidade de controle, somente apagando as memórias de avarias e trocando os componentes danificados. Porém, quando uma terceira colisão em alguma direção ocorrer, a unidade de controle do airbag deve ser substituída obrigatoriamente.

O airbag do condutor utilizado no Brasil tem um volume aproximado de 35 litros. Quando insuflado solta um pó branco, inerte à saúde e ao meio ambiente, pelos poros, localizados na própria bolsa, projetados para permitir a saída do gás de dentro da mesma no momento de uma colisão, amortecendo e suavizando o impacto do ocupante.

O airbag do lado do condutor deve ser removido toda vez que for necessário substituí-lo ou for realizado algum reparo com soldas na carroceria ou estrutura do veículo

É possível identificar se uma unidade de controle do airbag pertence a essas gerações via aparelho de diagnóstico, consultando o endereço de identificação da mesma. Porém, não são todos os aparelhos de diagnósticos que disponibilizam esse endereço para a consulta. Desta forma, a maneira encontrada para identificar a geração da unidade é trocando os componentes danificados e tentando apagar a memória de avarias. Se as avarias forem apagadas da memória de eventos e a luz de alerta no painel de instrumento for apagada, isso significa que a unidade pode ser reaproveitada. Caso contrário, a unidade deve ser substituída. Uma exceção é aberta para unidades que tenham sua carcaça danificada. Neste caso, a unidade de controle do airbag deve ser obrigatoriamente substituída independente da memória de avarias ou da luz de controle do airbag estar apagada.

Além disso, quando há uma deformação na chapa ao redor de 200mm da unidade de controle do airbag, esta unidade também deve ser substituída por precaução e garantia que esta estará em perfeito funcionamento quando houver uma colisão.

Quando o airbag do lado do condutor é deflagrado: neste caso, além do módulo da bolsa do airbag, devem ser substituídos também: anel de retrocesso com anel coletor (conhecido também como cinta espiralada), todos os sensores do airbag frontal do painel dianteiro e outros sensores para aceleração lateral na deformação do ponto de fixação na área dos sensores que estiverem danificados.

No caso de substituição ou até mesmo remoção da bolsa do airbag do condutor é importante saber que a mesma está localizada no centro do volante e que, para removê-la, o procedimento dependerá do veículo em questão.

Exemplo de um volante de uma SpaceFox com a bolsa de airbag removida e com os grampos destacados por uma circunferência vermelha. As setas indicam os sentidos em que os grampos devem ser forçados para a remoção da bolsa de airbag

Na maioria dos veículos essa bolsa é fixada ao volante por meio de dois ou três “grampos”, onde basta o reparador cuidadosamente acessar o volante pela parte traseira e com uma Torx 25 de aproximadamente 100mm de comprimento, forçar estes grampos conforme ilustrado na figura. Em alguns veículos é necessário remover a guarnição da coluna de direção superior para ter acesso a estes grampos, e ainda, se for possível, ajustar a posição da coluna de direção o máximo para trás e para baixo, aproveitando toda a área de regulagem da coluna de direção.

Para realização deste processo pode ser utilizado um espelho para auxiliar o reparador a melhor enxergar estes grampos. Depois de finalizado esses procedimentos a bolsa se desprenderá do volante, sendo necessário, apenas, soltar os conectores elétricos para removê-las do volante totalmente e armazená-las em locais apropriados (livres de impactos, temperatura amena e com a bolsa acolchoada virada para cima).

O airbag do lado do passageiro deve ser removido toda vez que for necessário substituí-lo ou for realizado algum reparo com soldas na carroceria ou estrutura do veículo

Quando o airbag do lado do passageiro é deflagrado: Além do módulo da bolsa do airbag do passageiro, devem ser substituídos: painel de instrumentos, apoios da unidade do airbag do passageiro deformados (estes não podem ser desamassados), todos os sensores do airbag frontal no painel dianteiro e outros sensores para aceleração lateral na deformação do ponto de fixação na área dos sensores que estiverem danificados.

Exemplo de remoção do airbag do passageiro de um Fox onde a bolsa deve ser removida por cima, sendo puxada para frente do painel de instrumentos

A bolsa de airbag do lado do passageiro está localizada atrás do painel de instrumentos na frente do banco do passageiro, como ilustrada a seguir:

Para remover esta bolsa em geral é necessário remover o porta-luvas, retirar os parafusos de fixação que prendem a bolsa no painel de instrumentos e após isso, dependendo do modelo do veículo, puxar a bolsa para baixo ou sacar a bolsa por cima puxando-a para fora do painel de instrumentos, como pode ser observado no exemplo abaixo:

Exemplo de remoção do airbag do passageiro de um Golf VII onde a bolsa deve ser removida por baixo, sendo puxada para baixo do painel de instrumentos

Já no momento de instalação das bolsas de airbag do lado do passageiro é necessário que, além de seguir todas as normas de segurança citadas no capítulo 3, sejam dados os torques corretos nos parafusos que fixam a bolsa no painel de instrumentos. Este torque deve ser na maioria das vezes 10 Nm para veículos nacionais e 8 Nm para veículos importados. Porém, estes valores não são padronizados e dependendo do modelo do veículo podem ser alterarados, sendo sempre importante consultar o manual de reparos de cada veículo.