Volkswagen Fox BlueMotion estreia novo motor 1.0l de três cilindros

Motor EA211 é o mais moderno fabricado pela Volkswagen no País, apresentando redução do consumo energético de até 17%

Por: Redação
Fox BlueMotion traz novo motor EA211 1.0l, modificações mecânicas e estéticas para menor consumo de combustível

Fox BlueMotion traz novo motor EA211 1.0l, modificações mecânicas e estéticas para menor consumo de combustível

A Volkswagen apresenta o Fox BlueMotion 2014, que estreia no País o novo motor de três cilindros 1.0l da família EA211. Trata-se do motor mais moderno fabricado pela Volkswagen no Brasil, tanto no que diz respeito ao seu processo de produção quanto aos recursos de que dispõe. Essa combinação promove notável diminuição no consumo de combustível e na consequente emissão de gases. Com o novo motor, o Fox BlueMotion se torna o primeiro Volkswagen para o mercado brasileiro a contar com motor de três cilindros e o modelo mais econômico da marca no Brasil.

O desenvolvimento do motor incluiu extensos testes de rodagem que totalizaram mais de 2,4 milhões de quilômetros – sendo cerca de 100 mil quilômetros sob temperaturas abaixo de -15°C –, mais de 17 mil horas em dinamômetro e mais de 1.000 testes do novo sistema de partida a frio.

Eficiência energética

Produzido em São Carlos, no interior de São Paulo, o motor EA211 foi desenvolvido segundo critérios de maior eficiência energética e menor consumo de combustível. Por isso optou-se pela configuração de três cilindros. Para assegurar seu desempenho, foi realizado intenso trabalho na redução de atrito dos componentes do motor e na aplicação de recursos tecnológicos inéditos nessa faixa de cilindrada no mercado brasileiro.

Com 999 cm³ de cilindrada e instalado em posição transversal no Fox BlueMotion, o motor EA211 1.0l é Total Flex, capaz de rodar com gasolina, etanol ou a mistura dos dois combustíveis em qualquer proporção. Sua potência máxima é de 75 cv (55 kW) a 6.250 rpm, quando abastecido com gasolina, e de 82 cv (60 kW) à mesma rotação, com etanol. O torque máximo é de, respectivamente, 9,7 kgfm (gasolina) e 10,4 kgfm (etanol), e ocorre a partir de 3000 rpm e se mantém por longa faixa de rotações. Já a partir de 2.000 rpm, mais de 85% do torque máximo está disponível.

Construção leve

O EA211 1.0l possui bloco e cabeçote feitos de alumínio, o que colabora para reduzir o peso do conjunto. Comparado a um motor de mesma cilindrada, mas com quatro cilindros, o novo EA211 é 24 kg mais leve.

A construção com três cilindros significa não apenas menor número de componentes – como biela, pistão e mancais –, como também menor perda de calor, o que aumenta sua eficiência térmica quando comparado a um motor de quatro cilindros.

Os cilindros têm maior diâmetro (são 74,5 mm, com 76,4 mm de curso), o que permite melhor enchimento da câmara de combustão. Combinada a essa característica está a vela de ignição colocada em posição central, entre as válvulas de admissão e escape, o que garante melhor frente de chama, maior velocidade e eficiência na queima da mistura ar-combustível e consequente maior eficiência térmica.

As bielas foram melhoradas e possuem desenho inovador. Cerca de 20% mais leves do que as convencionais, têm menor seção transversal e são guiadas no virabrequim.
A otimização da construção do motor está presente também na árvore de manivelas (virabrequim), que tem menor quantidade de contrapesos e o diâmetro de seus mancais principais reduzido. A massa total (peso) do componente foi reduzida, proporcionando menores inércia e atrito e aumentando a eficiência do conjunto.

Cabeçote

Com quatro válvulas por cilindro, sendo duas para admissão e duas para escape, o cabeçote tem comando de admissão variável – a variação é contínua, o que reduz consumo de combustível e emissões e melhora sensivelmente a resposta do motor em baixos regimes de rotação. A taxa de compressão é de 11,5:1. As válvulas são acionadas por balancins roletados (RSH, sigla para o termo alemão Rollenschlepphebel), recurso que minimiza o atrito entre os componentes e aprimora sua eficiência.

O cabeçote do EA211 1.0l possui coletor de escape integrado, formando uma peça única, com refrigeração líquida. Isso permite ao motor atingir sua temperatura ideal de funcionamento mais rapidamente, melhorando sua eficiência térmica.

O líquido de arrefecimento leva menos tempo para ser aquecido durante a fase fria do motor, porque recebe o calor dos gases de escape. Por outro lado, em alto regime de utilização, ocorre um controle da temperatura dos gases de escape na entrada do conversor catalítico (catalisador), permitindo que se opere mais tempo com a mistura ar-combustível estequiométrica (ideal).
O conversor catalítico (catalisador), instalado logo na saída do coletor de escape, atinge rapidamente sua temperatura adequada de operação. A chamada fase fria do motor dura menos e são reduzidas as emissões nesse estágio de funcionamento.

A construção da tampa do cabeçote é inovadora, em um processo que integra os eixos de comando (admissão e escape) e os cames de acionamento das válvulas permanentemente sem a necessidade de solda. Esse design permite a redução do diâmetro dos mancais dos eixos e, consequentemente, de atrito.

Painel do Fox BlueMotion inclui computador de bordo e indicação de consumo

Painel do Fox BlueMotion inclui computador de bordo e indicação de consumo

As polias de acionamento dos eixos de comando de válvulas têm desenho trioval, o que permite estabilização da força na correia dentada e de sua flutuação angular. Esse recurso, além de minimizar atrito e vibração, aumenta a durabilidade do sistema.

O coletor de admissão é feito de material polimérico de alta resistência e baixa rugosidade, garantindo fluxo de ar com baixa restrição. Como em todos os modelos Volkswagen, o conjunto de corpo de borboleta e acelerador é eletrônico.

O motor EA211 1.0l utiliza sistema de ignição com uma bobina por cilindro, o que elimina os cabos de velas e as perdas elétricas, colaborando para maior eficácia na combustão.

Duplo circuito de arrefecimento

Outra solução inovadora no motor EA211 1.0l é o duplo circuito de arrefecimento, que permite temperaturas diferentes para o bloco e para o cabeçote – o sistema utiliza duas válvulas termostáticas. Com esse recurso é possível utilizar maior temperatura de funcionamento para o bloco, tornando o óleo mais fluido e garantindo menor atrito entre os componentes.
A temperatura de arrefecimento do cabeçote, por sua vez, é menor, o que minimiza a possibilidade de detonação, melhorando o desempenho do veículo e diminuindo o consumo de combustível.

Partida a frio

O EA211 1.0l é o primeiro motor do País nessa faixa de cilindrada a receber sistema de partida a frio que dispensa a utilização do tanque auxiliar para gasolina. Evolução do sistema introduzido no Brasil de forma pioneira pela Volkswagen no Polo E-Flex, em 2009, o sistema aplicado no motor que equipa o Fox 1.0l BlueMotion utiliza galeria de injeção feita de material polimérico, que aprimora a eficiência do conjunto.

O sistema de partida a frio do Fox BlueMotion é gerenciado pela Unidade Eletrônica de Controle (ECU) do motor. O combustível é aquecido em câmaras ao lado das válvulas injetoras e opera com temperatura ambiente abaixo de 17,5°C.

A partida do motor é assistida, o que significa que não é necessário manter a chave acionada para que ela se processe – basta um leve toque na chave para a ECU comandar todo o processo de partida. Como pré-requisito, a partida só é possível se o motorista acionar completamente o pedal de embreagem. O instrumento combinado alerta o motorista para efetuar esse procedimento.

Conceito BlueMotion

A Volkswagen tem entre os seus objetivos criar veículos cada vez mais eficientes tanto em desempenho quanto na relação com o meio ambiente. Os carros da marca mais avançados nesse sentido estão agrupados globalmente sob a designação BlueMotion Technologies, que identifica todas as novas tecnologias desenvolvidas e aplicadas pela Volkswagen visando reduzir o consumo de combustíveis e emissões.

Reconhecidas internacionalmente por sua eficiência, as tecnologias BlueMotion abrangem alguns dos motores e câmbios mais avançados e contribuem para preservar os recursos energéticos.
Com o novo Fox 1.0l BlueMotion, a Volkswagen amplia a oferta de modelos concebidos com as diretrizes do conceito BlueMotion Technologies no mercado brasileiro. O Fox 1.0l BlueMotion junta-se aos modelos Polo 1.6l BlueMotion, Gol G4 Ecomotion e o Novo Gol e o Novo Voyage equipados com o pacote BlueMotion Technology. Modelos diferentes, de segmentos distintos, com um mesmo propósito: a mobilidade sustentável.

Alterações mecânicas

Disponível em carroceria de duas ou de quatro portas, o Fox BlueMotion traz, além do novo motor EA211 1.0l, modificações mecânicas e estéticas que contribuem para que o modelo atinja expressivos índices de economia de combustível.

A direção com assistência eletro-hidráulica (item de série no modelo), por exemplo, reduz o consumo energético do modelo em 3%, em relação ao Fox 1.0l equipado com direção hidráulica.

Como parte do pacote de melhoria da eficiência energética do conceito BlueMotion, a transmissão MQ200 teve para o Fox BlueMotion as relações alongadas em até 10% em comparação à utilizada no Fox 1.0l. A medida foi possibilitada graças a maior disposição de torque em baixos regimes de giro. Isso faz com que o motor trabalhe em rotações mais baixas às mesmas velocidades, resultando em menor consumo de combustível e redução nas emissões.

Quando abastecido com gasolina, o Fox 1.0l BlueMotion tem redução de consumo energético de aproximadamente 16%. Quando está com etanol, são 17%.

Desempenho e Nova Arquitetura Eletrônica

O Fox BlueMotion combina às características de economia de combustível e eficiência energética o desempenho surpreendente para um modelo dessa faixa de cilindrada. Quando abastecido com gasolina, o Fox 1.0l BlueMotion acelera de 0 a 100 km/h em 13,5 segundos e atinge velocidade máxima de 166 km/h. Com etanol, são 13,2 segundos para a aceleração de 0 a 100 km/h e 167 km/h de velocidade máxima.

O novo Fox BlueMotion teve as relações da transmissão MQ200 alongadas em até 10%, em comparação às do Fox 1.0

Assim como as demais versões do Fox, a BlueMotion traz a nova arquitetura eletrônica, mais moderna, o que possibilitou a instalação de recursos e equipamentos inéditos, além de itens adicionais de segurança. O modelo traz de série airbags frontais e freios ABS (Antilock Brake System, ou Sistema Antitravamento dos freios) com EBD (Electronic Braking Distribution, ou
Distribuição Eletrônica de Frenagem). Conta também com o sistema ESS (Emergency Stop Signal ou Sinal de Frenagem de Emergência) como equipamento de série.

O ESS funciona como um alerta para evitar colisões traseiras. Toda vez que o motorista aciona o pedal de freio de forma acentuada, em que atua o ABS, o sistema aciona as luzes traseiras de freio de forma intermitente, sinalizando aos motoristas que vêm atrás que o Fox está tendo uma desaceleração acentuada.

Em seu quadro de instrumentos, o Fox 1.0l BlueMotion traz de série, além do computador de bordo, uma barra gráfica que indica o consumo instantâneo de combustível. O item auxilia o motorista a conduzir de forma mais econômica. O painel traz também o indicador digital de velocidade, além do velocímetro analógico.

O Fox 1.0l BlueMotion já traz de série equipamentos muito valorizados pelos clientes, como direção eletro-hidráulica, computador de bordo, freios ABS e airbags frontais. Além desses, há itens de conforto e conveniência, como banco traseiro com encosto rebatível, banco do motorista com regulagem de altura, chave canivete, conta-giros, desembaçador do vidro traseiro, gaveta sob o banco do motorista, para-sol com espelho de cortesia dos lados direito e esquerdo e tomada de 12 volts. O indicador digital de consumo instantâneo de combustível e o indicador de troca de marchas também são equipamentos standard no Fox 1.0l BlueMotion.