Na reparação prevenir também é melhor que remediar

Manutenção preventiva gera resultados positivos para a oficina e seus clientes

Por: Redação

Alguns centros automotivos já oferecem além da venda de peças, trocas de óleos e freios, serviços de leva e trás, guincho e higienização de veículos. Porém, existem outras que apostam em outro modelo de negócio, como a Investe Auto, que desde que mudou-se para Balneário Camboriú (SC), oferece a manutenção preventiva como um de seus diferenciais.

Fundado em 1994 por Roberto Turatti (mais conhecido como Billy), o centro automotivo Investe Auto trabalha com manutenção preventiva desde 1997, o que, de acordo com seu diretor, traduz sua clientela em 75% manutenção preventiva e apenas 25% reparos corretivos. Sem revelar números, Turatti diz que desde que passou a oferecer este tipo de serviço, seu ticket médio aumentou significativamente.

Ticket médio é uma ferramenta para que os administradores de oficinas mecânicas possam quantificar a eficiência do negócio. Trata-se de um recurso simples, que consiste em dividir o valor total de vendas pelo número total de clientes atendidos.  Um centro automotivo, por exemplo, que vendeu R$ 30 mil em produtos e serviços em um mês, para mil clientes, tem o ticket médio de R$ 30 (30.000/1.000=30).

Esta análise é importante porque ajuda a mensurar a lucratividade da empresa e a sinalizar oportunidades de aumentá-la. Se a oficina citada conseguir vender R$ 3 a mais para cada cliente do mesmo grupo de mil, terá R$ 33 mil em vendas: um acréscimo de R$ 3 mil no mesmo período e com a mesma estrutura.

Aumentar o ticket médio não é fazer os clientes comprarem mais. O consumidor precisa ter percepção de valor em produtos e serviços que não via quando entrou no estabelecimento: “Quando o cliente entra na loja só compra o que deseja? É possível, mas mercadorias, serviços e promoções dispostos de maneira equilibrada tendem a elevar o ticket médio das vendas”, explica Salvador Serrato, consultor do Sebrae-SP.

Roberto Turatti explica que a manutenção preventiva é um trabalho de conscientização junto ao dono do veículo: “Quando explicamos que este diagnóstico vai analisar o veículo de maneira geral, o proprietário que está interessado em serviço entende e opta por fazer a manutenção preventiva, enquanto quem está interessado apenas em preço, prefere executar somente o reparo pontual”, afirma.

Segundo Turatti, quando um cliente solicita a troca de pastilhas de freio na Investe Auto, a manutenção preventiva contempla todo o sistema: “Fazemos uma análise técnica desde o fluído, as pastilhas, o disco, as lonas e até os tambores”, explica.

O resultado precisa ser o mais honesto e transparente possível, assim, o cliente terá confiança na oficina e no mecânico. Outro ponto destacado por Turatti é que a manutenção preventiva reduz o número de vezes que o dono do carro vai à oficina: “Pode parecer um tiro no pé, mas não é. Acontece que ao invés de ir 10 vezes à oficina executar 10 serviços, ele vai uma vez e executa os mesmos 10 serviços. É isso que explicamos sobre a manutenção preventiva, e é isso que o cliente valoriza. Ele percebe valor nisso. A maioria não se importa em ter que fazer o reparo, mas sim com a perda de tempo e o veículo parado. E quando precisar de algum serviço novamente, ele vai procurar sua oficina”, encerrou.