Mecânicos Melhores

Os profissionais que mais se destacam no segmento automotivo são os que mais investem em qualificação

Por: Redação

Está cada vez mais difícil encontrar aquela oficina pequena, suja, escura e que vivia com a entrada abarrotada de veículos, mesmo localizada em bairros domiciliares. E a tendência é que com o passar do tempo, cada vez mais diminua o número de oficinas mecânicas que utilizam esta filosofia e métodos de trabalho.

Não é apenas uma questão de equipamentos. De que adianta ter a máquina mais sofisticada do planeta e não ter um colaborador competente e que saiba manuseá-la? Um bom mecânico não pode saber apenas apertar parafusos, trocar o óleo e usar um macaco hidráulico. E para conhecer mais do que isso é necessário qualificação profissional, pois da mesma forma que não haverá mais espaço para oficinas que não se renovam, mecânicos que não se atualizam com as novas tecnologias serão preteridos.

O reparador automotivo deve ser um profissional capaz de atuar na identificação e no conserto de veículos, na elaboração de projetos, ferramentas e produtos que melhorem o seu trabalho ou a indústria automotiva. E diante do avanço científico e tecnológico que está ocorrendo nos últimos anos no mundo todo, e na velocidade com que acontece, a necessidade de qualificação profissional fica cada vez mais evidente.

Talvez o exemplo mais claro seja o fato de que em 2008 o Comitê Brasileiro Automotivo criou um projeto em parceria com a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), dando um padrão para a qualificação de pessoas interessadas em realizar a manutenção mecânica automotiva em todo o Brasil.

Pouco tempo depois, em 2009, entrou em vigor a norma NBR 15681, que padroniza a qualificação de mecânicos de manutenção de veículos rodoviários automotores. O currículo do curso foi estudado e discutido profundamente, moldado por montadoras, mecânicos com larga experiência, profissionais da educação automotiva e outros trabalhadores do segmento que compõem o universo dos reparadores, seja como mecânico ou como cliente.

É claro que todo mecânico inicia sua carreira como generalista, mas com o passar do tempo e com o acúmulo de experiência, pressupõe-se que um bom reparador seja capaz de diagnosticar falhas. Além disso, deve saber realizar a manutenção e reparação de testes de sistemas mecânicos, elétricos e eletrônicos nos veículos, por meio de técnicas e procedimentos operacionais, utilizando equipamentos, ferramentas e aparelhos de testes, de acordo com as normas e especificações do fabricante, em função do restabelecimento das condições do funcionamento e segurança do veículo.

Normalmente o desejo de qualificação deve partir do profissional, neste caso, o mecânico. Mas o empregador é diretamente responsável por estimular e incentivar que os funcionários de seu empreendimento tenham interesse em adquirir novos conhecimentos.

A empresa pode promover cursos ou oferecer bolsas, integrais ou parciais, para que seus colaboradores estejam sempre atualizados com as últimas tecnologias. Outra possibilidade é sempre oferecer os cargos com maior responsabilidade ou poder de decisão e, principalmente os diretivos, para profissionais que privilegiam os estudos.

Uma maneira inteligente de estimular os colaboradores a se aperfeiçoarem continuamente, é segmentar a oficina mecânica. Dividir o local, como por exemplo, reparos hidráulicos, manutenção elétrica, conserto de motores a diesel, diagnósticos e tantos outros, e promover o rodízio semanal, ou quinzenal, de acordo com o porte ou fluxo de serviço na oficina.

Atualmente, diversas instituições com respeitável reputação oferecem ótimos cursos para profissionais do segmento automotivo. Na escola SENAI Conde José Vicente de Azevedo, por exemplo, é possível participar dos cursos de especialização oferecidos na área de direção hidráulica, freios ABS, transmissão automática, motores e injeção eletrônica de marcas específicas.

O que não é aceitável é um profissional estacionar enquanto a indústria automotiva se moderniza a cada dia. Um mecânico especialista em um determinado sistema ou componente, transmite mais transparência e deixa o cliente mais confiante em sua oficina e trabalho.

E este mesmo consumidor não hesitará em fazer uma boa propaganda da oficina, o que resultará em mais clientes e maior faturamento.

Os idiomas não podem ser deixados de lado. Existem muitos estrangeiros visitando e morando no Brasil, seja a trabalho ou lazer, e eles querem ser atendidos e compreendidos. Porém, assim como as pessoas, é cada vez maior o número de carros e componentes importados que desembarcam no Brasil. Alguns carros e itens têm o manual ou linguagem em português, enquanto outros dependem da habilidade do colaborador em entender o que está escrito, e encontrar a solução para o problema.

Acontece que houve um grande aumento de concorrência, mudança de tecnologia e as exigências são maiores, o que torna necessário investir na qualificação (vale para todos os profissionais, mas neste caso específico) dos mecânicos, na modernização de máquinas, conceitos administrativos e dos serviços para poder competir no ramo.